CLICK HERE FOR THOUSANDS OF FREE BLOGGER TEMPLATES »

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

O veneno da humanidade










Você meu caro fumante
Preste-me bem atenção
Precisa deixar esse vício
Poupar o seu coração
Use a sua consciência
E contribua com a nação.

O povo do seu convívio
Vai muito lhe agradecer
Porque você não sabia
Mas agora eu vou dizer
Todos também são fumantes
Se com você conviver.

Engolem muita fumaça
Quando você vai fumar
Ela contamina tudo
E no pulmão vai ficar
É de fumante passivo
Que o médico vai chamar.

Seja o marido ou mulher
A irmã ou o irmão
Pode ser também um filho
Ou então um amigão
Essa fumaça maldita
Vai desgraçar seu pulmão.

A vida é o bem maior
Que nosso Deus pode dar
Não desperdice esse prêmio
Faça ele frutificar
Deixe o cigarro de lado
E sua vida vai mudar.

São muitas as substâncias
Para o cigarro formar
Venenos e mais venenos
Procure se informar
Aqui vou citar alguns
Pra você observar.

Entopem as veias do corpo
Vão muito prejudicar
As suas pernas, afirmo,
Podem até paralisar
Ponte safena, infarto,
Você pode enfrentar.

A nicotina, não sabe?
Tem um poder infernal
Atua da mesma forma
Que a cocaina atual
Torna você dependente
É bem prejudicial.

Tem monóxido de carbono
Que faz o ser reduzir
A oxigenação dos tecidos
E no sistema vai agir
É no sistema nervoso
Que o grande mal vai surgir.

Tem outra propriedade
Chamada de alcatrão
Sabe onde ela vai ficar?
Acumula-se no pulmão
Também provoca doenças
Vascular e ulceração.

Quem não conhece a pólvora
Que faz uma coisa queimar?
A 900°C
Sua brasa vai chegar
Isso é fácil de se ver
Quando você vai tragar.

Para queimar um cigarro
Ela tem utilização
Mas você observe
Também a sua maldição
Vai irritar sua garganta
E também o seu pulmão.

A tal da naftalina
Que é nossa conhecida
É resíduo de petróleo
E usada pra inseticida
Contida em plástico, solvente
E também em fungicida.

Formol, outra substância
Que só faz prejudicar
Meu irmão, tenha certeza
Que no cigarro vai estar
Fere os brônquios e laringe
Traz doença pulmonar.

O chumbo nele contido
Você pode se informar
É substância ativa
Eu também fui pesquisar
Está contida nas tintas
Para o cabelo pintar.

Secretaria da Saúde
É órgão incentivador
Apóia quem quer parar
Com o vício tentador
Procure a ajuda dela
Pra esse dilacerador.

Cada órgão do nosso corpo
Cuidado merece ter
Mas com nossa teimosia
Castigado sempre vai ser
Meu irmão e minha irmã
Nós temos que aprender.

Conforme a sua vontade:
Querer parar de fumar
Existe um 0800
Que você pode ligar
Tem posto de atendimento
Prestes a lhe ajudar.

Dedico este cordel
Ao jovem pré-adolescente
Porque é nesse período
Quase que inconsciente
Que inicia seu vício
Poluindo a sua mente.

Brincando de prova-prova
Vai o cigarro provar
Não sabe que tem o risco
De dependente ficar
Depois é muito difícil
Desse maldito largar.

Ao velho pai de família
E à mãe, preste atenção!
Calcule o dinheiro gasto
Para esse fumação
Está tirando da boca
O alimento do filhão.

Se você me entendeu
Agora vai se alertar
Com toda esta informação
Eu só queria deixar
Uma pequena semente
Que em você vai brotar.


Nelcimá Morais.
J. Pessoa/PB
29/04/09.

3 comentários:

JOSÉ FRANCISCO DE SOUZA disse...

POETA ZÉ DE LOLA: CIDADE: EQUADOR RN.

POESIA:
CONVERSANDO COM OS PÁSSAROS.

I
Mim diga o motivo
Conseqüência ou razão
Algum crime eu pratiquei?
Ou serei algum ladrão?
Se não sou um delinquente
Mim diga aí seu demente
Por que estou na prisão?
II
Existem organizações
Pra cuidar dos animais,
Mas permite uma licença
Veja só o que se faz
Você paga um tostão
O bicho vai pra prisão
Não se solta nunca mais.
III
Não há motivo qualquer
Que possa justificar
Tirar nossa liberdade
Que a natureza nos dá
É uma grande covardia
Praticada dia a dia
Quando isso vai parar?
IV
Ninguém por preço nenhum
Quer que viver engaiolado
Até mesmo um criminoso
Contrata um advogado
Pra fazer sua defesa
E às vezes com sutileza
Ele solta um culpado.
V
“Coloque-se” em nosso lugar
Use sua consciência
Fique preso numa gaiola
Faça uma experiência
Pra burrice tem limite
Por que você não admite
Essa sua incoerência?
VI
O pássaro vive feliz
Em seu habitat natural
Os homens ignorantes
Que gostam de fazer mal
Tira sua liberdade
E esta imbecilidade
Eles acham que é normal.
VII
Se eu fosse funcionário
Da defesa ambiental
Ficaria muito triste
Por ver como é natural
O crime que é praticado
Como está sendo depredado
O nosso reino animal.
VIII
Oh! Como seria bom
Que o homem se ligasse
Respeitasse a diferença
Que existe em outra classe
Depredar a natureza
É uma indelicadeza
Seria bom que mudasse

JOSÉ FRANCISCO DE SOUZA disse...

POETA ZÉ DE LOLA: CIDADE: EQUADOR RN.

POESIA:
CONVERSANDO COM OS PÁSSAROS.

I
Mim diga o motivo
Conseqüência ou razão
Algum crime eu pratiquei?
Ou serei algum ladrão?
Se não sou um delinquente
Mim diga aí seu demente
Por que estou na prisão?
II
Existem organizações
Pra cuidar dos animais,
Mas permite uma licença
Veja só o que se faz
Você paga um tostão
O bicho vai pra prisão
Não se solta nunca mais.
III
Não há motivo qualquer
Que possa justificar
Tirar nossa liberdade
Que a natureza nos dá
É uma grande covardia
Praticada dia a dia
Quando isso vai parar?
IV
Ninguém por preço nenhum
Quer que viver engaiolado
Até mesmo um criminoso
Contrata um advogado
Pra fazer sua defesa
E às vezes com sutileza
Ele solta um culpado.
V
“Coloque-se” em nosso lugar
Use sua consciência
Fique preso numa gaiola
Faça uma experiência
Pra burrice tem limite
Por que você não admite
Essa sua incoerência?
VI
O pássaro vive feliz
Em seu habitat natural
Os homens ignorantes
Que gostam de fazer mal
Tira sua liberdade
E esta imbecilidade
Eles acham que é normal.
VII
Se eu fosse funcionário
Da defesa ambiental
Ficaria muito triste
Por ver como é natural
O crime que é praticado
Como está sendo depredado
O nosso reino animal.
VIII
Oh! Como seria bom
Que o homem se ligasse
Respeitasse a diferença
Que existe em outra classe
Depredar a natureza
É uma indelicadeza
Seria bom que mudasse

Dalinha Catunda disse...

Olá Nelcimá,

Muito bom este seu cordel mostrando
os malefícios do fumo.

Mais uma vez quero reafirmar minha admiração pelo seu trabalho e sua dedicação ao cordel.
Um abraço,
Dalinha